PÁROCO - Padre Nunes

padrenunes@nsaparecidanatal.com.br

Estúdio Luciano Azevedo

Nascimento
23.09.1963 – Almino Afonso/RN

Ordenação sacerdotal
10.12.1988 – Almino Afonso/RN

Do menino que improvisava procissões por diversão ao padre que arrasta multidões em suas Missas de Cura e Libertação, conheça um pouco da história do nosso Pároco.

O despertar do gosto pelas atividades religiosas veio cedo, aos sete anos, incentivado pela avó paterna Antônio aprendeu a rezar o terço mariano. Todos os dias as 18h00 a oração era sagrada e desse costume nasceu a proximidade com a Igreja. Logo o menino que costumava brincar improvisando procissões, estava ajudando nas celebrações reais da matriz de Almino Afonso, onde morava.

Com o passar dos anos a identificação com a vida sacerdotal só crescia, foi quando aos 14 anos, através da indicação de amigos, conheceu o trabalho da ordem dos carmelitas de Pernambuco. No início por ser muito jovem, Antônio encontrou uma certa resistência dos superiores do carmelo, mas a fé e a vontade de servir a Deus eram mais fortes e com perseverança o rapaz conseguiu ser aceito. Então, passou um ano em Pernambuco como noviço e logo em seguida disso foi transferido para Curitiba, no Paraná, onde cursou filosofia. Depois retornou à Pernambuco , desta vez para a capital, Recife, para estudar Teologia. Assim finalizou sua formação sacerdotal e foi ordenado frade carmelita no dia 10 de dezembro de 1988.

Como frade foi direcionado para ser responsável pela formação dos novos congregados em Goiana (PE), ficando cerca de um ano neste ofício. Posteriormente por uma decisão pessoal, Antônio foi levado a deixar a ordem carmelita e tornar-se padre da diocese, nesta época foi transferido para Camocim de São Felix (PE) onde permaneceu por um ano e oito meses. Mas a vontade era voltar ao seu estado natal, então em 1991 veio a notícia seria pároco duas comunidades potiguares: Na capital, tomaria conta de Neópolis uma paróquia recente e Taipú no interior. Ele durante um ano a rotina era a mesma celebrava a missa aos sábados a noite na igreja de Nossa Senhora Aparecida e seguia para celebrar no interior no domingo a tarde.

Com a mudança para as paróquias potiguares veio uma grata surpresa, a organização paroquial aqui permitia muito mais interação com a comunidade através do serviço pastoral. Trabalhar na causa evangelizadora tornou-se a principal meta de Padre Nunes, sempre trazendo a comunidade para dentro da igreja. Tanto que em 1999, o salão paroquial não comportava a demanda das reuniões das pastorais e movimentos, começou-se então, em Neópolis, uma campanha para construção do Centro Pastoral Dom Heitor.

Contudo crescer fisicamente não era o foco principal da ação de Padre Nunes na Paróquia. A idéia era investir na formação catequética das pessoas, sempre reforçando a importância dos momentos litúrgicos fortes. A participação dos fiéis na igreja sempre foi incentivada através de momentos como as missões de evangelização, o Maranathá, jantar das famílias carentes e as Missas com Oração de Cura e Libertação.

Da infância também veio o gosto pela música, chegou a ganhar dois concursos de “A mais bela voz” promovidos por rádios de Caicó e Mossoró. Entretanto, a idéia de evangelizar através da música surgiu apenas quando já era pároco de Neópolis. Na época o Papa João Paulo II havia conclamado a Igreja a tentar uma nova evangelização: através de métodos diferenciados. No resto do Brasil, outros padres arrastavam multidões com músicas e coreografias. Foi quando o pessoal da comunidade começou a incentivar o padre a gravar as músicas que cantava nas missas. Em 1998 veio o primeiro CD, hoje já são três CD’s gravados.

Recordando as pessoas que passaram por sua vida e serviram de exemplo na trajetória, além da avó paterna. Dom Muniz, Frei Antônio Gonsalves e os carmelitas foram os maiores formadores. Como amigo para todas as horas, Dom Joercio.

Pensando no futuro a meta é terminar a construção da Casa Divino Mestre e trabalhar para o pleno funcionamento. “Não gosto de pensar em dificuldade e sim em desafios que temos de vencer como comunidade para seguir em frente.” – Explicou.

VIGÁRIO - Padre Charles